Onde encontrar preços de carros usados na internet

tabela fipe webmotors

Saber a cotação do carro usado é importante para quem pretende comprar e para quem pretende vender: dessa maneira, a pessoa coloca um preço razoável, sem perder dinheiro.

Porém, isso não é simples: o ideal é verificar a tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, conhecida como tabela FIPE.

Pela internet, dá para colocar as informações do veículo e o instituto mostrará qual é o valor de mercado dele, o que vai basear a sua revenda.

Como consultar o preço de veículos usados

Os simuladores da tabela FIPE são encontrados em muitos sites diferentes, mas o mais indicado é sempre usar o site oficial do instituto: https://veiculos.fipe.org.br/.

O processo para consultar o preço do carro usado é o seguinte:

  • Clique em “Consulta de carros ou utilitários pequenos”;
  • Selecione um mês e ano de referência;
  • Determine a marca, o modelo e o ano;
  • Clique em “Pesquisar”.

Uma espécie de ficha será gerada pela FIPE logo abaixo da caixa de pesquisa. Nela, o cidadão verá a autenticação, o código, e o preço médio, que estará indicado em reais.

É obrigatório seguir a tabela FIPE?

A tabela FIPE é um meio de a venda de carros usados ser mais justa: o vendedor não cobra a menos do que poderia lucrar e, ao mesmo tempo, não superfatura o veículo.

Porém, não existe obrigatoriedade de seguir essa tabela: se o dono quiser vende-lo por um preço mais baixo, ele pode.

Porém, não é recomendado que o vendedor coloque o valor muito acima da tabela FIPE, pois a maioria dos compradores simplesmente não fechará negócio.

Hoje em dia, qualquer pessoa interessada em comprar um carro usado pode recolher as informações deste no próprio anúncio e consultar a tabela; descobrindo que o valor cobrado está muito superior, procura outro vendedor.

Como a tabela FIPE chega a esses valores?

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas tem parâmetros para determinar quanto cada carro vale.

Primeiro, ela pesquisa quais são os preços para todos os veículos no Brasil inteiro: cifras muito extremas (ou seja, muito baixas ou muito altas) não são usadas porque, provavelmente, apresentam erros.

Com os valores que continuam em uso, a FIPE faz uma média, destacando-se que as grandes concessionárias também fazem uso desse levantamento.

Todos os meses, a função refaz essas contas e publica os novos valores para os carros, ou seja, quem vê determinado preço em março pode encontrar outro valor no mês de abril e assim sucessivamente.

Consulta carros usados Webmotors

Se o proprietário preferir, pode fazer a consulta tabela fipe webmotors. Essa é uma plataforma confiável na qual várias pessoas vendem seus veículos usados e que também mostra os valores da tabela FIPE:

  • Acesse https://www.webmotors.com.br/tabela-fipe-novos-usados-seminovos;
  • Clique em “carros”, à esquerda;
  • Selecione se você está procurando ou vendendo;
  • Selecione o Estado;
  • Selecione a marca;
  • Selecione o modelo;
  • Selecione o ano;
  • Clique na versão;
  • Forneça nome e e-mail para que a Webmotors envie a avaliação.

Como economizar água no condomínio? Veja 8 dicas!

A escassez de água é um problema sério, que precisa de atenção constante!

O síndico deve mobilizar os moradores do condomínio, incentivando o consumo de água mais sustentável e a economia na conta de água da SABESP.

E eu recebo contato de vários síndicos pedindo ajuda e dicas do que dizer ou fazer para que os moradores se engajem de verdade na economia de água, que ajuda o bolso, o condomínio e o meio ambiente, que é o principal.

Porque acompanhar sempre suas contas da Sabesp

É necessário que você saiba como tirar sabesp 2 via de conta vencida para que possa, depois de algum tempo realizando as ações de economia, fazer um real comparativo sobre o que aconteceu com os valores e consumo de água.

Dessa forma também é possível saber em qual mês ou época do ano o consumo de água feito pelos moradores é maior.

Hoje vou deixar nesse artigo oito dicas valiosas que vão te ajudar a manter a conta de água da Sabesp em dia e o meio ambiente cada vez melhor para nós e as futuras gerações:

Veja 8 dicas para economizar água no condomínio

Vale lembrar que existem dezenas de dicas, porém eu resolvi separar apenas as oito principais dicas para que você consiga ter controle da sua conta de água sabesp.

1. Tecnologia é aliada da economia de água

Todos os anos, empresas oferecem novidades tecnológicas para reduzir o consumo. Informe-se e faça da tecnologia e de outros aparatos inovadores seus aliados na luta para diminuir o consumo de água no seu condomínio.

2. Não deixe que os condôminos esqueçam de economizar água

Espalhe lembretes nas áreas comuns do prédio! Exemplos: não demorar no banho, usar a máquina de lavar roupas somente na capacidade total e fechar a torneira quando ensaboa as louças da cozinha.

3. Procure os vazamentos

Programe inspeções constantes para detectar possíveis vazamentos. Fiscalize periodicamente todas as válvulas e torneiras do edifício. A vistoria pode feita por um zelador treinado e vai indicar se há desperdício.

Se for observado qualquer vazamento, providencie o reparo pelo condomínio ou, se for o caso, passe para o apartamento responsável. Inclua na inspeção a caixa d’água e realize a limpeza da mesma frequentemente.

4. Gaste menos água nas torneiras e chuveiros

Hoje em dia existem empresas especializadas em redutores de vazão. Quando instalados em chuveiros e torneiras dos apartamentos, eles garantem uma economia significativa de água.

Os redutores vão desde aquela simples “redinha de ferro” que direciona a água, passando por válvulas redutoras de pressão até aparelhos mais sofisticados.

5. Hidrômetros individuais podem auxiliar na conscientização

A individualização dos hidrômetros é outra ótima medida para economizar água. O sistema tradicional é o condomínio ratear o gasto de água entre os moradores.

Com os hidrômetros individuais, cada apartamento paga apenas o que consumir e aí há uma motivação para que cada unidade adote hábitos que diminuam o uso de água.

6. Atenção ao aquecimento

Há sistemas modernos que eliminam o desperdício de água ao esperar o aquecimento. Há gasto quando se fica esperando sair toda a água fria que fica no encanamento.

7. Vasos sanitários não podem ser esquecidos

Outra troca que vale a pena o investimento é sobre os vasos sanitários. As bacias com válvulas mais antigas soltam entre 12 e 24 litros de água por cada nova descarga!

Já os vasos mais modernos, com caixa acoplada, despejam apenas 6 litros. Há ainda sanitários que despejam volume de água diferente conforme a necessidade

8. Reaproveite a água

Uma alternativa é reaproveitar a água da chuva para regar jardins e limpar pisos.

Outra é implementar uma estação de tratamento de água simples, mas que garanta um uso para o banho e para as pias diferente do que vai para as descargas.

 

Tipos de disfunção erétil

xtrasize bula

A disfunção erétil acontece quando o pênis não fica ereto com estímulos, ou seja, o homem tem excitação, mas o seu órgão não responde.

Podendo ser diagnosticada tanto em pessoas mais novas quanto nas mais maduras, essa condição pode ser tratada e até curada.

Quando identificar a disfunção erétil?

Esse diagnóstico só cabe quando o homem tem uma dificuldade crônica na hora de se relacionar sexualmente.

No caso de ele estar cansado, estressado, com algum mal-estar ou mesmo triste, a impotência é apenas algo isolado e que não deve preocupar nem o homem nem seu (ua) parceiro (a).

Quais são as diferenças entre os quadros de disfunção erétil?

Existem três tipos de disfunção: psicogênica, orgânica e mista. A psicogênica não está associada a outras doenças, sendo um problema limitado ao aparelho reprodutor masculino.

Já a disfunção orgânica é aquela que está relacionada a outras condições do corpo: entre 10% e 20% são de correntes de distúrbios neurológicos, entre 60% e 80% são decorrentes de doenças vasculares e entre 5% e 10% são por causa de problemas hormonais.

O terceiro tipo de disfunção erétil é o misto: nesse quadro, o homem tem um entrave psicológico e, ao mesmo tempo, alguma condição orgânica.

Saber qual é a classificação de cada paciente é indispensável para que o médico urologista prescreva o tratamento correto.

Como é feito o diagnóstico de cada um dos tipos de disfunção erétil?

O urologista faz o diagnóstico da disfunção erétil e do seu tipo de duas maneiras complementares: conversando com o homem para determinar como é a sua vida sexual e as doenças crônicas que ele possa ter e fazendo exames clínicos.

Se for detectado que a disfunção erétil é a psicogênica ou a orgânica, ele prescreverá medicamentos e, eventualmente, o acompanhamento com mais algum especialista.

Para a disfunção classificada como mista, o urologista também indicará um psicólogo e cabe dizer que sem essas sessões de terapia o tratamento fica incompleto.

O que se usa no tratamento da disfunção erétil?

Estimulantes

As técnicas para tratar da disfunção erétil variam: para muitos, os comprimidos estimulantes são o suficiente para que a vida se torne satisfatória.

Atualmente existem no mercado opções como Power Blue, Erectill, Maca X Power, Xtrasize funciona mesmo, entre outras possibilidades.

Os efeitos desses produtos têm sido elogiados pelo público masculino, a exemplo desse depoimento em vídeo que está aqui registrado. Para acompanhar o relato, basta acessar esse link: https://youtube.com/watch?v=S5ZnlTSl5K8.

Cirurgias e injeções

Enquanto isso, outros homens precisam de alguma intervenção cirúrgica, havendo até a possibilidade de colocar uma prótese peniana.

Há também pacientes que são tratados da disfunção erétil com injeções. É só o homem aplicar nele mesmo com determinada antecedência à relação sexual.

Esse método é chamado de injeção intra-cavernosa e pode ser de longa duração: isso significa que a pessoa estará apta a se relacionar sexualmente por até 36 horas, desde que ela seja estimulada para isso.

Além dos tratamentos que o urologista pode prescrever e do acompanhamento psicológico, é fundamental que o homem deixe o fumo e o sedentarismo, além de manter o seu peso dentro do indicado para a sua idade.

Caso esse homem tenha problemas vasculares ou outros, deve realizar um tratamento conjunto com o especialista, pois isso também afeta a saúde do sistema reprodutor e a vida sexual.

Para onde vai o dinheiro do IPVA?

ipva 2019 spO Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) chega a qualquer cidadão que tenha um veículo, não importando o ano, o porte, o lugar do país, etc.

Esse imposto é cobrado anualmente e a Secretaria da Fazenda de cada município fica responsável por emitir as cobranças.

Pago à vista com desconto ou dividido em alguns meses, o IPVA é um dos impostos com os quais os brasileiros estão acostumados.

Entretanto, será que todos conhecem a utilização do que se arrecada? Quais são os órgãos que utilizam o que se recolhe com esse imposto? É só a prefeitura? Saiba aqui.

IPVA: conheça o destino do imposto veicular

Não é apenas a prefeitura que fica com os valores do ipva 2019 sp: o governo federal e o governo estadual também têm uma porcentagem.

Metade do que o imposto arrecada fica na cidade; o restante é dividido entre as outras duas esferas.

Por isso, vê-se que o IPVA ajuda a muitos dos investimentos potenciais de cada município, em especial quando ele tem bastante frota, como a capital paulista.

As alíquotas de 2018 para esses veículos, especificamente, fizeram com que a Secretaria da Fazenda acumulasse bastantes recursos.

No caso dos que são abastecidos com gás ou álcool, por exemplo, a cobrança era de 3%; para os que são abastecidos com biocombustível pagaram 4% de IPVA e há outras classes de veículos.

Entre um ano e outro, as prefeituras podem continuar com as alíquotas ou podem ajustá-las.

Arrecadação do IPVA por município

As cifras que cada cidade arrecada devido ao IPVA são muito variáveis: além da divergência de alíquotas, também existe a diferença de número de carros.

Quanto mais carros estão emplacados naquele município, mais arrecadação de IPVA será possível. No caso do Estado de São Paulo, todos os municípios conseguiram somar quase R$ 6.000.000.000,00 em 2018.

Cabe destacar que as cidades não são obrigadas a investir o repasse especificamente em serviços relacionados às estradas: várias outras secretarias municiais podem ser valorizadas por causa dos repasses, como a de Saúde.

Desse modo, o governo municipal decide quais são os setores em que é preciso mais investimento imediato e utiliza o IPVA.

Vinculação do IPVA

A vinculação diz respeito à obrigatoriedade de ter o IPVA pago para que o licenciamento anual seja feito; sem ele, o veículo não está autorizado a circular por qualquer lugar que seja.

Todos os proprietários que estão com IPVA atrasado e não fazem nenhuma renegociação não podem fazer seu licenciamento; se o veículo continuar circulando assim, a consequência é apreensão, sete pontos na carteira e ainda uma multa superior a R$ 293,00.

Para onde vai o dinheiro do licenciamento?

Já que o IPVA e o licenciamento são dois valores que se relacionam, os cidadãos também questionam qual é a destinação daquilo que este último arrecada.

É o Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) quem fica com o imposto pago e, normalmente, a quantia é utilizada para a melhora da infraestrutura do órgão, como compra de novos materiais para Informática e mais.

Como será a música no futuro?

E a gente vai simplesmente pensar a música que a gente quer ouvir e já vai conectar e vai estar dentro do cérebro. Melhor definição! Eu vejo o futuro da música mais ou menos como ele está porque ele já está num… Fora da área digital eu não consigo ver. A tecnologia é democrática, né.

É interessante. Isso chega para várias pessoas ao mesmo tempo. Com uma qualidade igual para todo mundo. Por mais que a gente tenha essa enxurrada de streamings e ao mesmo tempo uma galera voltando com os LPs, enfim. As gerações se cruzam. Eu acho que no futuro, seja qual for o formato, acredito que a música vai estar mais disponível para todo mundo curtir.

E mais acessível a quem, por exemplo, não tem condições de assinar uma plataforma de streaming. Vai estar cada vez mais próximo da gente. Eu não sei de que forma. Eu acho que a tecnologia… tomara que ela venha só para somar com relação à música. Eu acho que a música nunca foi tão consumida quanto é hoje em dia no mundo.

O que vamos ouvir no futuro?

Mas ao mesmo tempo, as indústrias acho que vão crescendo. Tanto de vinil, como de K7 que agora está voltando também. Então, a gente teve ano passado recorde de fabricação de vinil e a gente acha que esse ciclo ele vai se renovando automaticamente. E quem sabe a gente não grava uma fita K7 daqui a alguns anos. Ela vai estar acessível em tudo quanto é lugar. Cada vez mais.

Na casa, clicar num vidro, vai sair música. Eu acho que a música ela vai se difundir cada vez mais. Cada vez vão surgindo novos formatos, tá
ligado? Nós somos uma gravadora, querendo ou não, que temos um monte de características parecidas com outras gravadoras antigas e ao mesmo tempo um monte característica que são diferentes.

No futuro eu acho que, sei lá, as pessoas vão ter um acesso muito mais fácil ainda. Acho que num piscar de olhos, sei lá. Tô assistindo muito filme. Seguindo a linha do “Black Mirror”, eu acho que a gente vai ter um HD aqui dentro. Um chip. Primeiro que todo mundo vai lançar uma música por dia.

Você também pode se interessar por: Como Tocar Cavaquinho

Eu acho que vai chegar num ponto do artista lançar 300 ou 200 músicas no ano, sacou? Porque o negócio é assim, sem parar. Isso aí vai rolar. E outra coisa que é… Quando você pensar na música, ela vai vir na sua cabeça. Por que a gente já vai ter um chip. Eu acho que no futuro você vai, sei lá, abrir um celular vai sair um holograma e o povo tá cantando na sala da pessoa, entendeu?

É um troço meio louco, mas… Sei lá, só se for uma coisa por transmissão de pensamento. Que na verdade eu acho que é isso que acontece. Uma canção, ela tem a capacidade de ficar dentro de você por toda a sua existência. E que já existem programas inteligentes a ponto de serem capazes de serem compositores. Não sei se a gente vai conseguir evoluir mais, talvez sim.

Mas o fato é que a composição, a canção, o que você tem dentro de você e como artista pode filtrar a vivência das pessoas. Você faz uma canção e de repente ela está na vida de todo mundo, no coração, na cabeça de todo mundo. Isso é o que eu acho o maior desafio. Não tem como uma máquina atingir a sutileza, as nuances que é da característica humana.

A telepatia, mas a telepatia, a sensibilidade, o sentimento. Eu tava gravando uma música do Cassiano para o meu LP e o Cassiano falou assim. Eu vou dizer isso para vocês também. Para a garotada aqui. “O melhor da música é o que a gente não ouve”. Você não captou não. Então vou dizer assim para vocês todos. O melhor da música tá aqui, oh.

Quando você ouve aqui, quando você ouve aqui, quando você ouve com a alma com sentimento. Então acho que o futuro é esse. Entendeu? O resultado que vai vir de dentro de uma percepção humana vai ser sempre o prioritário. Até para mexer nesse suposto compositor implacável. O cara tem que ter o mínimo de visão para poder essa coisa acontecer.

Quais são os prêmios do sorteio da Nota Fiscal Paulista

A Nota Fiscal Paulista é uma forma de o Estado de São Paulo reduzir as fraudes nos impostos, haja visto que muitos comerciantes deixavam de fazer a nota fiscal, o que resultava em menos recolhimento de imposto.

O fato de poucos cidadãos se importarem em pedir os recibos encorajava esses sonegadores, coisa que mudou com esse programa de sorteios: mais paulistas pedem a nota fiscal porque querem participar deles.

Esses sorteios são feitos uma vez por mês e os seus valores são diversos, começando em R$ 1.000,00 e podendo chegar a R$ 1.000.000,00.

Além desses valores generosos, a Secretaria da Fazenda realiza um sorteio ainda maior no mês de dezembro: os contribuintes podem ganhar R$ 2.000.000,00.


Quais os valores sorteados na Nota Fiscal Paulista?

saldo nota fiscal paulista

Quando se trata de entidades sem fins lucrativos, são sorteados R$ 1.000.000,00, divididos entre cinquenta prêmios no valor de R$ 10.000,00 e outros cinco prêmios no valor de R$ 100.000,00.

Para os condomínios e as pessoas físicas, os valores são mais diversificados. Podem ser sorteados quinhentos prêmios no valor de R$ 1.000,00; vinte prêmios no valor de R$ 10.000,00; dez prêmios no valor de R$ 100.000,00; um prêmio de R$ 1.000.000,00 e outras possibilidades.


Como participar da Nota Fiscal Paulista

O contribuinte tem de se cadastrar em https://www.nfp.fazenda.sp.gov.br/login.aspx?ReturnUrl=/Principal.aspx e sempre solicitar a nota fiscal paulista quando fizer compras.

É importante salientar para o atendente que se trata da nota paulista para que os créditos sejam contabilizados.

A cada vez que o cidadão soma R$ 100,00, ele ganha um cupom e fica concorrendo a qualquer um dos valores já citados.

A pessoa sorteada poderá sacar a quantia pelo seu banco, sendo necessário levar o CPF, o RG e também a nota fiscal na qual conste o prêmio.


E quem não for sorteado pela Nota Fiscal Paulista?

As pessoas que não são sorteadas também têm ganhos com a nota fiscal paulista.

Nos meses de abril e de outubro, os contribuintes podem fazer o saque desses créditos ou, se preferirem, podem utilizar o saldo nota fiscal paulista como débitos para o seu Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA).

Apesar de os saques serem possíveis apenas em abril e em outubro, os contribuintes podem consultar o que já somaram com a nota fiscal paulista durante todo o ano.

Cabe destacar que os créditos depositados têm critérios diferentes: a porcentagem para as farmácias pode não ser igual à das pet shops, por exemplo.

Porque as mulheres perdem o interesse sexual após casarem?

Xtrasize ComprarUma das grandes preocupações das mulheres é a falta de interesse sexual após o casamento. Esse problema atinge um número expressivo de mulheres, causando muitas separações e brigas durante a relação. Muitas vezes fica insuportável manter o casamento quando não se tem relações sexuais periódicas com seu parceiro.

Creio que se você encontrou esse post deve estar se perguntando: “será que isso é normal? Como faço para resolver esse problema?”. A boa resposta é que esse problema tem solução e você não precisa arrancar os cabelos para resolve-lo.

Em pesquisa realizada pela BM Jopen há mais ou menos 6 meses foi revelado que 34% das mulheres entrevistas afirmam que não sentem interesses sexuais em seus parceiros. Essa falta de interesses sexuais acontecem muito mais em mulheres que tem relacionamentos longos e estáveis.

Um dos grandes motivos pelos quais as mulheres buscam levar seus parceiros a terapia de casal é a sua constante falta de interesse sexual pós casamento.

Você já deveria saber que não existe apenas um motivo que causa a falta de interesse no sexo. É preciso dizer que cada caso é um caso diferente, e que para cada caso existe um tratamento indicado.

Se você está confusa e se questionando do por quê você não sente tesão com o seu parceiro, esse artigo irá ajudá-la a responder essas perguntas. Fique por aqui e confira.

Principais causas da falta de desejo após o casamento

Os motivos pelos quais você não sente mais desejo sexual pelo seu marido podem ser psicológicos, emocionais ou físicos. Minha primeira dica é que você procure o seu ginecologista e converse com ele sobre o que está sentindo. A avaliação irá te dizer se você tem algum problema físico e se ele tem tratamento.

Caso esteja tudo ok com a sua avaliação e exames é hora de dar o segundo passo. Se o seu problema não for físico talvez tenha chegado a hora de procurar um terapeuta especializado no assunto. Um terapeuta sexual pode te ajudar mais do que um terapeuta especializado em outras áreas.

Os principais causadores de falta da libido feminina são: hormônios desregulados, parto, amamentação, menopausa e uso de antidepressivos. A maioria das mulheres que lida com essa falta de desejo passa por alguns desses quadros citados acima. onais e antidepressivos.

Confira abaixo os principais motivos para a perda do interesse sexual:

Dispareunia x vaginismo

A dispareunia é a síndrome que causa dores durante a relação sexual. Já o vaginismo é a incapacidade em ter uma penetração vaginal normal. Esses são 2 fatos muito importantes para considerar. Afinal, se você sentir dores durante o sexo dificilmente vai gostar de pratica-lo, certo? Se isso acontece com você procure um médico ginecologista e relate a ele o problema.

Ejaculação precoce e disfunção erétil

Esse é um problema que acontece com os homens, porém, eles afetam suas esposas e parceiras. Muitas mulheres relatam que seus maridos ou parceiros sofrem com problemas de disfunção erétil e ejaculação precoce, ou seja, elas não conseguem nem sentir prazer, não da tempo.

Quando isso acontece é indicado que o marido também se trate, afinal, sexo é uma via de mão dupla, os dois precisam sentir prazer e tesão. Com o passar dos anos as mulheres vão se cansando de manter relação sexual por apenas alguns minutos.

Autoestima baixa

Quando a mulher sofre com falta de auto estima é normal que ela não se sinta desejada, dessa forma, acaba se reprimindo e reprimindo seu desejo sexual. Algumas mulheres acima do peso ou com alguma deformidade no corpo perdem totalmente o tesão pelo seus parceiros. Se esse for o caso basta perder alguns kg para resolver o problema.

 

Uma breve história do samba

curso de cavaquinhoO samba vai nascer de uma parte da sociedade brasileira que fica à margem dos planos políticos maiores, da grande sociedade, vamos dizer assim, e ela precisa inclusive recriar seus laços afetivos. No samba, você vê muito isso: tia Zica, tia Neuma. Todas as vezes que aqui, no Rio de Janeiro, teve intervenções urbanísticas grandes, houve um movimento de mudança, mesmo de território, da população negra e pobre.

Então o nascimento desse samba vem exatamente dessas pessoas tentando recriar seus laços afetivos e também de diversão: modos de viver, de socialização. Mas, de certa forma, eles nunca se viram desconectados da chamada grande sociedade. Então viviam buscando estratégias para se reconectar. Uma dessas estratégias foi criar as escolas de samba, em que blocos, que nasceram naturalmente dentro das comunidades, se uniam, se encorpavam, criando uma…Ficando melhor apresentáveis.

E imitando modelos de outras formas de organização que você tinha nas camadas mais abastadas. Essas escolas, no começo, usavam o chamado Livro de Ouro, com que buscavam apoio em pessoas, bicheiros, comerciantes, para colocarem seu Carnaval na rua. E essas pessoas acabaram entrando para as escolas de samba, tomando poderes maiores dentro desses grupos, e começaram a ditar regras nesses grupos. Do lado de fora, você também tem outra tensão social, em que esse povo do gueto começa a descer para desfilar na cidade. E esse desfile começa ocorrer exatamente no lugar de onde eles foram expulsos: Na praça Onze.

É quase uma reocupação de um lugar que era, de verdade, seu referencial de pertencimento. Importava então, para as autoridades, conhecer quem são esses negros que estão aí se espalhando, com uma coisa que deve ser interessante, porque está atraindo um público espectador – e cada vez mais, a cada ano aumentando. Havia esse certo preconceito com o samba. O samba sempre foi – não sei porquê…

O Nelson é feliz quando diz: “duramente perseguido na esquina, no botequim, no terreiro”. É verdade. Seu Carlos também falava… Como se diz? Houve a princesa Isabel, que libertou os escravos negros e tudo, mas o samba continua marginalizado. Quando podem atrasar o samba, atrasam. O Cartola foi um dos que sofreram muito. Teve um delegado de polícia que mandou arrancar as bandeirinhas – isso contado pelo próprio Carlos. “Acaba com isso aí!”. Era meia-noite, naquela época o desfile acabava cedo na Praça Onze. Aí disse que o delegado mandou arrancar todas as bandeirinhas. “Acaba com tudo isso aí!” E os camaradas todos arrancando.

Aí o Cartola foi: “A Mangueira ainda não passou…”. Rasgaram a roupa dele. Ele estava com o terninho da ala dos compositores. Rasgaram a roupa dele. Ele foi à leiteria. Tinha uma leiteria ali na Mangueira. Ficou ali triste, chateado. E o Carlos consolando ele. O Carlos ficava me contado essas coisas, que teve um major do exército que foi ser presidente da União das Escolas de Samba. Olha que história bonita!

Aí o samba começa a sair da marginalidade. Teve um delegado que se chamava Dulcídio Gonçalves.Um delegado que exigiu das escolas de samba assim…que falassem dos vultos, sabe? Da história do Brasil. Porque as escolas de samba não tinham enredo. Naquela época, era samba falando de mulher. Outros falando, como o Cartola – esse samba foi enredo da Mangueira –, “Não Quero Mais Amar a Ninguém”. Era samba assim, cantava no terreiro, aquele que aprendia mais era que descia. Então esse delegado exigiu que as escolas de samba falassem dos vultos e efemérides do Brasil, compreendeu?

Aí começam a vir José de Alencar, Marcílio Dias, o Marinheiro, Duque de Caxias e tal. As escolas passaram a se unir. Mas, antigamente, era samba falando de mulher. A Portela desfilou:

“Lá vem ela,chorando
O que que ela quer
Pancada não é, já dei.
Mulher da orgia quando começa a chorar
Quer dinheiro, dinheiro não há”

E ia a Portela por ali. E o Cartola: “Quem me vê sorrindo pensa…”. Compreendeu? Nessa linha. Grêmio Recreativo, as escolas passaram a ter um Gres. Todas as escolas tinham um Gres na frente. Grêmio Recreativo Escola de Samba Estação Primeira. Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela. Grêmio Recreativo Escola de Samba Salgueiro, e por aí. Então as coisas começam…

O tipo de samba, o ritmo de samba que o Cartola fazia na Mangueira fazia na Portela, fazia no Salgueiro, mas vem a mudança; as coisas mudam.
Eu tenho a impressão de que a coisa começou a mudar quando a classe média começou a invadir as escolas de samba. Por quê? Porque a noite carioca foi caindo, foi caindo, foi caindo…Crescendo também…

Eles descobriram que as escolas de samba eram um espetáculo grátis. Do bom! E foram para a escola. Minaram as escolas até botá-las no sentido que estão. Pelo menos, é a minha opinião. Minaram a escola. Hoje, na escola de samba, só se canta samba-enredo, não se canta mais samba de terreiro. Não adianta fazer concurso de samba de quadra porque não adianta. O próprio compositor da escola, se faz um samba de quadra, não cantam. Então o Cartola disse uma vez assim: “Não. Eu faço samba para as pessoas ouvirem calmamente”.

O Cartola, por exemplo, na década de 1940, quando a Mangueira estava sob uma presidência que queria levar uma mudança para o tipo de música que a Mangueira queria desfilar, ele resolve sair da Mangueira, se afastar da Mangueira, mas, de qualquer maneira, ele nunca deixou de ter a preocupação com a Mangueira. E eu vejo isso: A consciência que ele tinha da importância dele enquanto compositor da sua obra fazia com que: “Não importa se isso vai me fazer sair desse sistema, mas eu não vou mudar a forma de compor, nem a forma de pensar”.

Uma coisa que tinha aqui na Mangueira eram os compositores Hélio Turco, Padeirinho… certos compositores daqui, uns eram fãs dele. O Hélio Turco, por exemplo, não. Se o Hélio Turco pudesse botar o Cartola lá embaixo, ele botava, só que ele não conseguia. Porque ele também era um bom compositor, mas tinha raiva do Cartola porque Cartola era um sambista de morro e não fazia essas coisas muito de…O samba dele sempre teve aquela…Como que se diz? Sempre foi samba fino…

Tanto que teve uma ocasião em que cismaram que o Cartola fizesse samba-enredo. Isso já no final. O Cartola falou: “Olha, eu não me dou com isso porque eu não me dou com esse ritmo de música. Comigo tem que ser coisa…”. “Ah, mas faz um, faz?” Aí ele fez. Aquele que ele fez, o “Tempos Idos”. O Hélio Turco, que era um dos julgadores, deu zero para o samba. Deu zero porque disse que aquilo não era samba para a disputa. De fato, é um samba lento. Nesse tempo em que ele fez, o samba ainda era meio lento, mas não era como é hoje, mas mesmo assim já não servia mais para…Mas ele falava assim: “Só sei fazer assim. Se servir, vocês aproveitam, se não servir, joga fora”. Aí o Hélio Turco deu zero. Nem por isso ficou de mal, ninguém ficou de mal, não. Ficou todo mundo bem.

Era assim!

11 situações em que você joga dinheiro fora ao viajar

Não importa quanto dinheiro você tenha para poder viajar. Pode ser que você consiga viajar uma, duas ou três vezes por ano, seja em hoteis mais baratos ou nos super resorts 5 estrelas. De qualquer forma, ninguém gosta de “queimar” dinheiro, portanto é fundamental que você tome conhecimento das 11 situações em que você poderá estar, literalmente, jogando seu dinheiro no lixo ao programar sua tão esperada viagem de férias ou até mesmo a trabalho e estudo.

Dicas para economizar dinheiro nas férias

como viajar com crianças

 

1. Não fazer um seguro viagem

Este é o tipo de coisa que você precisa ter, mas que espera nunca precisar utilizar na viagem. Muita gente pensa: “Eu só vou ficar fora por um curto período de tempo. Vou ficar bem. Nadar com tubarões vai ser divertido e é apenas por um dia, nada de mal vai acontecer. Mas se algo ruim acontecer enquanto você estiver viajando e você não tiver coberto por um seguro viagem, você vai ter que pagar milhares de reais, dólares ou euros caso ocorra algum problema ou emergência. Acredite, o prejuízo será infinitamente maior, e muita coisa pode acontecer, portanto previna-se e garanta que não terá nenhuma surpresa desagradável.

O que você deve fazer: Faça um seguro de viagem! É barato, dependendo do seu cartão de crédito você ainda pode ganhar o seguro gratuitamente (mediante solicitação) ou pagar com desconto, e você ficará totalmente assegurado caso aconteça qualquer imprevisto.

2. Se prender a poucos sites de viagem e esquecer dos demais

Existem sites muito famosos de busca de passagens aéreas, hoteis e pacotes de viagens, como Expedia, Decolar, Kayak, Submarino, entre outros. Reservar as suas férias através de um desses sites é fácil e simples. Basta pesquisar, encontrar, pagar, e está feito. Mas eles não pesquisam todas as empresas ao redor do mundo e, usando apenas estes sites, você poderá perder excelentes promoções de companhias aéreas, hotéis e pacotes que não aparecem nessas pesquisas.

O que você deve fazer: Expanda seus horizontes para incluir sites como o Skyscanner, Momondo, Holiday Pirates, Late (hotéis), e Agoda (hotéis). Desta forma, você terá uma visão mais aprofundada de todas as promoções e preços lá fora.

3. Administrar mal o seu dinheiro

Seja usando cheques de viagem (obsoletos), sacando dinheiro antes de ir, ou usando casas de câmbio em aeroportos, você não está aproveitando as melhores taxas de conversão.

O que você deve fazer: Utilize o caixa eletrônico do destino para sacar dinheiro na moeda local e um cartão de crédito internacional para todas as suas compras. Verifique se o seu banco tem uma rede de caixas eletrônicos parceiros no país que você está visitando e pode lhe custar quase nada para sacar dinheiro local. Todo o resto pode ir em cartões de crédito – apenas informe sua empresa de cartão que você irá usá-lo na viagem para que eles não bloqueiem o cartão por suspeita de fraude depois de ver 15 piñatas aparecerem em suas compras recentes.

4. Reserva cedo demais

As pessoas ficam animadas com sua próxima viagem e, para torná-la real, reservam seu voo com muita antecedência. Ou outro extremo, esquecem de comprar e acabam esperando até o último minuto. Ambos são um erro.

O que você deve fazer: Reserve o seu voo cerca de dois a três meses de antecedência para garantir as tarifas mais baixas. Preços sobem e descem a todo momento por três razões principais, sendo elas: oferta, demanda e preços do petróleo. A menos que você seja um sheik árabe (pode nos emprestar R$ 100,00?), você não controla nenhum destes fatores. Mas cerca de dois a três meses antes da partida, as companhias aéreas começam a subir ou abaixar as tarifas com base na demanda e concorrência. Além disso, se você procurar voos ao longo de vários dias, os sites de reservas e companhias aéreas utilizam cookies para rastrear seu comportamento e podem até mesmo subir os preços se o virem voltar muitas vezes.

5. Ir nos restaurantes dos guias de viagem

Frequentando os restaurantes que aparecem nos guias de viagem ou próximos das principais atrações turísticas do seu destino pode te fazer pagar muito mais para se alimentar na viagem. Estes restaurantes sabem exatamente quem são seus clientes, e se começam a ter muito fluxo de turistas graças ao “Guia Fabuloso de Paris”, subirão seus preços facilmente para aumentar seu lucro.

O que devemos fazer: Use sites que reúnam comentários e avaliações de outros turistas que visitaram o local, como o crowdsourcing sites como o Yelp, Foursquare, Trip Advisor, entre outros. Estes sites são fontes globais de informação, onde você pode encontrar os mais bem avaliados (por locais) restaurantes em todo o mundo, incluindo por preço, localização, atendimento e qualidade.

6. Perguntar onde comer de forma errada

Mesmo parecendo que você está fazendo a coisa certa perguntando aos locais “onde devo comer”, desta maneira você induz o morador do destino a te indicar lugares que eles acreditam que serão bons para o turista, no caso os restaurantes mais caros.

O que você deve fazer: Parece simples, mas perguntando: “Onde você come”, fará toda a diferença para o seu bolso. Ao invés de adivinhar o que você pode gostar, o local poderá direcioná-lo a um restaurante fora do foco turístico, voltado aos moradores da região, que poderá ser até mais autêntico e, muito provavelmente, mais barato.

7. Não visitando o balcão de turismo do local

Geralmente, eles têm sugestões e informações sobre eventos, festivais, e saem um pouco das informações batidas que você encontra nos guias, até porque são mais atualizados e muitas vezes feitos pelos locais que estão alí diariamente e sabem exatamente o que há de melhor para fazer.

O que você deve fazer: Visite o conselho de turismo quando chegar no local, geralmente terá um desses dentro do próprio aeroporto ou próximo a ele. Como eles são especialistas na região, podem te fornecer um monte de informações úteis, reservar excursões e direcioná-lo para as atrações de acordo com o seu interesse.

8. Não pedindo informações em albergues

Os albergues são uma boa opção de hospedagem para quem está em busca de baixo custo, diversão e sociabilização, mas não são para qualquer um, mesmo que a maioria tenha quartos privativos também. Porém, se você evitá-los completamente poderá estar perdendo bastante dinheiro em sua viagem. Os albergues tem funcionários cujo único trabalho é direcionar as pessoas para atividades e passeios de baixo custo, já que recebe muitos hóspedes em busca de economia.

O que você deve fazer: Mesmo que você não esteja hospedado em um albergue, entre em algum e peça recomendações de lugares baratos para comer, ou até mesmo empresas de turismo e atividades mais em conta. Se existir, eles vão saber exatamente o que indicar. Uma busca rápida pelo mapa do Google ou em sites especializados em albergues, como o Hostelworld, poderá mostrar os mais próximos a você.

9. Não pesquisar as melhores taxas de hotéis

Sites de reserva acabam “comendo” uma parte dos recebimentos dos hoteis. Isso significa que ao receber reservas pelos sites os hotéis podem estar perdendo lucro, já que estes sites também precisam receber os ganhos deles.

O que você deve fazer: ligue para seus hotéis de interesse e pergunte se eles não tem taxas menores em relação às expostas nos sites de reservas. Não custa nada perguntar e você pode conseguir um bom desconto no final das contas.

10. Não acumular milhas

Este é um dos mais fáceis, mas também o mais frequentemente esquecido por conta da falta de informação dos cartões de crédito. Se você não está acumulando milhas com suas compras de passagens aéreas e compras do seu cartão em despesas do dia a dia, está deixando de ganhar pontos para poder viajar mais barato e, quem sabe, até mesmo não pagar nada pela passagem em sua próxima viagem.

O que você deve fazer: Certifique-se de que todos os seus gastos com cartão de crédito estão sendo computados em algum programa de fidelidade de sua escolha, e assim você vai acumulando pontos e trocando por benefícios.

11. Não obter um cartão de turista

Se você está planejando conhecer vários lugares no destino, você vai precisar pagar várias taxas de ingressos e inscrições. Ao pagar separadamente em cada atração que você vá visitar, você está desperdiçando uma grande quantidade de dinheiro que poderia ser melhor gasto de outras formas em sua viagem.

O que você deve fazer: Obter um cartão de turista. Eles podem ser comprados em qualquer escritório de turismo e normalmente permitem que você entre em todas as principais atrações da cidade por um valor e taxa únicos. Estes cartões são ótimos para economizar dinheiro e você ainda pode acabar ganhando descontos em restaurantes e transporte público. Uma excelente economia.

A história do Rock and Roll

Curso de GuitarraUm gênero musical, uma filosofia, um estilo de vida. Para admiradores e fãs, é isso e muito mais. O rock surgiu nos Estados Unidos, nos anos 50, da mistura de gêneros como blues, jazz, gospel e country e foi batizado pelo radialista Alan Freed em 1951. Nessa mesma época entram à venda as guitarras elétricas de corpo sólido que tornam-se características marcantes do rock, assim como o uso de amplificação eletrônica, além de uma batida acentuada na música.

Entre seus primeiros artistas haviam nomes como Bill Haley e Chuck Berry. E, em 1955 chega ao cenário Elvis Presley, o Rei do Rock, conquistando os ouvidos e corações de toda a juventude da época. Os anos 60, também conhecidos como “anos rebeldes” introduzem a banda de maior sucesso de todos os tempos, bem como aqueles que muitos consideram seus maiores rivais. Nessa época, começam a ser feitas canções que contestavam a violência e a Guerra do Vietnã, dando ao rock um caráter político explorado até os dias atuais.

Com o tempo, o rock foi dando origem a diversos subgêneros como o Rock Progressivo, Glam Rock, Hard Rock, Punk, New Wave, Heavy Metal, Grunge, Alternativo, Indie Rock, entre outros. Tradicionalmente, sempre fez sucesso graças à identificação que os jovens sentiam, pelo estilo rebelde de alguns de seus cantores e bandas, em contraponto ao estilo mais conservador de seus pais.

O que, por vezes gerou grandes controvérsias em torno do gênero. Porém, conforme essas gerações mais jovens foram crescendo e tendo seus filhos e o rock passou a ser mais difundido e aceito. Durante décadas, o rock tem tido sua parcela de influência na moda. Muitas bandas e estilos procuravam se afastar do lugar-comum de suas épocas adotando diferentes modos de se vestir que eram replicados por seus fãs. Shows e festivais de rock por todo o mundo são famosos por reunir multidões para assistir seus ídolos tocando no palco. Alguns dos mais famosos foram Woodstock que aconteceu em 1969 e contou com artistas como Jimi Hendrix e Janis Joplin unindo milhares de jovens sob o lema “paz e amor” o Rock in Rio, que já conta com edições em outros países e foi um marco para o rock no Brasil e o Live Aid, que aconteceu em 1985 juntando grandes nomes dos cenários mundiais do rock e do pop e onde foi fixado o dia 13 de julho como o Dia Mundial do Rock.

Guitarras e os jovens

Hoje em dia muitos jovens tem comprado suas guitarras o que não deixará o Rock morrer. No Brasil, país cheio de ritmos e estilos musicais o Rock sobrevive com bandas como O Rappa, Capital Inicial, CPM 22, Sepultura e outras diversas bandas que vem surgindo ao longo dos últimos anos, inspirados em outras bandas nacionais como Legião Urbana. E você, gosta de rock? Já fez algum curso de guitarra? Tem algum instrumento musical relacionado do Rock? Já foi há algum bom evento de Rock Nacional? Visitou o Rock in Rio? Conta para gente qual sua banda favorita e em que situações você acha que o Rock salva a música nacional. Além de tudo isso o Rock é um estilo político.